Falta de mais Educação


Falta de qualificação continua sendo entrave para acesso ao emprego


(1´21´´ / 320 Kb) – A nova pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta semana, mostra que a falta de qualificação de mão-de-obra continua sendo um entrave para a superação do desemprego no Brasil.

De acordo com o Instituto, existe uma falta de mão-de-obra adequada para aproximadamente 123 mil vagas de emprego em aberto. O setor que mais sofre é a indústria, estima-se que no setor falta um trabalhador a cada quatro vagas. A grande maioria de trabalhadores com baixa ou nenhuma qualificação profissional está na Região Sudeste, um número que passa de sete milhões. Já o Nordeste é a região onde mais sobram profissionais qualificados, sobretudo em serviços de educação, saúde, assistência social e lazer. Informações do Centro de Apoio ao Trabalhador (CAT), da Secretaria Municipal do Trabalho de São Paulo, mostram que das 100 mil pessoas que o órgão atende por mês, apenas cinco mil conseguem emprego, a maioria no setor de comércio e serviços.De acordo com o Ipea, os trabalhadores qualificados somam 18% do total de pessoas que procuram emprego no Brasil. De São Paulo, da Radioagência NP, Juliano Domingues.

Blog também é Cultura


Poema da noite
extraído do blog do Noblat

Brincando com Drummond
Vicente Freitas

Quando adoeci, um médico safado desses que vivem matando gente disse: Vai, Vicente, tá sem jeito na vida. O homem espia a casa e corre com medo da mulher.A noite talvez fosse linda não houvesse tantos ladrões. Vivo levando pernadas:pernas feias, sujas, empenadas. Meu Deus, pra que tanta perna, pergunta minha boca. Porém, o meu coraçãonão pergunta nada. O bigode na cara do homem é engraçado, simples e fraco;tem poucos, raros cabelos. Mundo, caro mundo,se eu me chamasse Aparecida seria uma mancada, não seria uma saída. Mundo, caro mundo, mais caro é o custo de vida. Eu não queria dizer(minha boca não queria)mas essa fome,mas essa crise deixam a gente esmorecido como o diabo.

Vicente Freiras Araújo nasceu em Bela Cruz, Ceará. Filho de José Arimatéa Freitas e dona Maria Rios Araújo. Dedica-se à literatura e às artes plásticas, distinguindo-se como poeta, cronista e caricaturista. Depois de estudar em algumas escolas de sua cidade natal, mudou-se para Fortaleza, passando então a conviver com um grupo de escritores e poetas, freqüentadores da casa de Juvenal Galeno.

Petróleo a mais! Educação de menos, apesar do que vem sendo feito!


Opinião
*por Luís Carlos Lins

O Brasil(ou o governo e seus dirigentes) está comemorando a descoberta de mais petróleo! De mais riqueza poluente e a possibilidade de nosso País ingressar na OPEP. É fantástico não é!?

Seria, se ironicamente no FANTÁSTICO (da TV Globo), deste domingo, 11 de novembro,mais uma matéria jornalística não tivesse refrescado (e chocado os mais sensíveis, pelo menos!) nossa memória sobre o descaso com o presente e o futuro de nossa gente.

A matéria/denúncia teve como tema a Educação. E o referido programa além de aplicar um provão com estudantes de escola pública e resultados assombrosos, fez matérias com escolas de taipa, escolas embaixo de mangueira, escolas com duas turmas no mesmo espaço, escola nos fundos da casa de uma professora, escola cujas divisórias eram de palha, e todas elas(as escolas) carregavam a imagem do seu público. Para um público pobre, uma escola miserável!

O petróleo é um combustível do passado por tudo o que representa, apesar de todo seu valor energético, econômico e/ou estratégico, ainda. A educação um combustível do presente e do futuro, mas relegado, pouco priorizado.

Como denunciaria Josué de Castro, o aço prevaleceu sobre o pão! Até quando, quase tudo será mais importante do que a formação do nosso povo, digo, da maioria de nossa gente.

Luis Carlos Lins é militante do MTC e membro do Fórum Permanente Pela Ética na Política