Do Blog do Josias


De Adib Jatene para Paulo Skaf: ‘Tem que pagar!’

Marlene Bergamo/FolhaPai da CPMF, o cardiologista Adib Jatene, ex-ministro da Saúde de FHC, guarda uma mágoa de Lula. Na época em que arregaçava as mangas para aprovar a CPMF no Congresso, no final de 1996, Jatene reuniu-se duas vezes com Lula, à época presidente do PT. Rogou para que o petismo não fechasse questão contra a criação do imposto do cheque, que seria integralmente destinado à Saúde.

A investida de Jatene resultou infrutífera. O então deputado Eduardo Jorge, único petista a votar a favor da CPMF, recebeu uma reprimenda do partido. Aprovada a nova “contribuição”, o ministério da Fazenda, gerido à época por Pedro Malan, tratou de apropriar-se de parte da arrecadação. Abespinhado, Jatene pediu as contas.

Hoje, o genitor da CPMF teria todas as razões para dar o troco a Lula. Porém, tornou-se um dos mais fervorosos defensores da renovação do tributo até o ano da graça de 2011. Insurge-se, sobretudo, contra os empresários. Acha que a plutocracia quer acabar com a CPMF porque o tributo, além de insonegável, tornou-se valiosa ferramenta de detecção de fraudes tributárias.

Num evento ocorrido em São Paulo, Jatene avistou-se com o presidente da Fiesp, Paulo Skaff, um dos mais destacados soldados do pelotão de “coveiros” da CPMF. “Tem que pagar”, disse. Os detalhes da conversa foram captados pela coluna de Mônica Bergamo. Encontram-se na Folha (só assinates). Seguem abaixo:

“Dedo em riste, falando alto, o cardiologista Adib Jatene, ‘pai’ da CPMF e um dos maiores defensores da contribuição, diz a Paulo Skaf, presidente da Fiesp e que defende o fim do imposto: ‘No dia em que a riqueza e a herança forem taxadas, nós concordamos com o fim da CPMF. Enquanto vocês não toparem, não concordamos. Os ricos não pagam imposto e por isso o Brasil é tão desigual. Têm que pagar! Os ricos têm que pagar para distribuir renda’.

Numa das rodas formadas no jantar beneficente para arrecadar fundos para o Incor, no restaurante A Figueira Rubaiyat, Skaf, cercado por médicos e políticos do PT que apóiam o imposto do cheque, tenta rebater: ‘Mas, doutor Jatene, a carga no Brasil é muito alta!’. E Jatene: ‘Não é, não! É baixa. Têm que pagar mais’. Skaf continua: ‘A CPMF foi criada para financiar a saúde e o governo tirou o dinheiro da saúde. O senhor não se sente enganado?’. E Jatene: ‘Eu, não! Por que vocês não combatem a Cofins (contribuição para financiamento da seguridade social), que tem alíquota de 9% e arrecada R$ 100 bilhões? A CPMF tem alíquiota de 0,38% e arrecada só R$ 30 bilhões’. Skaf diz: ‘A Cofins não está em pauta. O que está em discussão é a CPMF’. ‘É que a CPMF não dá para sonegar!’, diz Jatene.

Skaf circula. O deputado Adriano Diogo, do PT, levanta o dedo positivo para ele: ‘E aí, contente em detonar a saúde?’. Nova discussão. ‘Não adianta. São visões de mundo diferentes’, conforma-se o empresário. Em outra mesa, Tião Viana (PT-AC), presidente do Senado, diz que a votação da CPMF segue indefinida. ‘Está difícil para os dois lados.’

Cada um dos 400 convidados do jantar desembolsou R$ 250, com direito a saladas, tortellis e carnes preparadas pelo médico David Uip, por José Aristodemo Pinotti e por Paulo Renato Souza. Em meio aos comes e bebes, uma boa notícia: o BNDES negociou a dívida do Incor: de R$ 140 milhões, ela caiu para R$ 80 milhões. O governo de SP pagará R$ 40 milhões. O próprio Incor, os outros R$ 40 milhões, em dez anos. Uma das últimas ‘missões’ de David Uip, que deixará a presidência do Incor em dezembro, será a assinatura do acordo com o banco.”

A farra dos bancos


Mais lucros para os bancos no último trimestre de 2007


(1´33´´ / 365 Kb) – As instituições bancárias comemoram mais um trimestre de altos lucros. O Banco do Brasil atingiu neste período o lucro liquido de R$ 1,4 bilhão, o que garantiu à instituição um crescimento de mais de 50%, comparado ao mesmo período de 2006. Este aumento permitiu ao Banco do Brasil lucrar em todo o ano quase quatro bilhões. O Itaú é outro Banco líder em lucros, só entre janeiro e setembro deste ano, superou o lucro de 2006 do Banco do Brasil e conseguiu atingir mais de seis bilhões de reais. Itaú, Bradesco e Santander já conseguiram antes do final deste ano, ultrapassar o lucro anual que tiveram em 2006. Nos dois últimos mandatos do governo Lula, este cenário é bem comum. As altas taxas de juros aplicadas em operações bancárias, são segundo os economistas, um dos fatores que contribuem para este crescimento. A taxa selic- que determina o valor das taxas vigentes no país- já foi reduzida 18 vezes pelo Comitê de Polítíca Monetária (Copom) do Banco Central, e neste mês é pouco mais de 11% ao ano. Mesmo assim, as taxas vigentes no Brasil estão entre as maiores do mundo. Um estudo divulgado em agosto deste ano pela Economática, um sistema que analisa o capital de empresas em todo o mundo, aponta que entre 22 setores do país, o bancário foi o que mais lucrou no primeiro semestre de 2007. Das 24 instituições bancárias analisadas o ganho líquido foi de mais de R$ 14 bilhões. De Brasília, da Radioagência NP, Gisele Barbieri