XIV SEMANA DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE PERNAMBUCO


XIV Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco, promovida pela Secretaria de Cultura do Estado e FUNDARPE, com uma programação especial. Trata-se de uma ação integrada entre os campi do Agreste e do Recife envolvendo os Programas de Pós-Graduação em Antropologia (PPGA) e em Educação Contemporânea (PPGEDUC), por meio do Observatório de Museus e Patrimônios Culturais (OBSERVAMUS), do Museu da Parteira e do Laboratório de Antropologia, Arqueologia e Bem Viver (LAAB). De 16 a 20 de agosto, conferência, palestras e mesas discutirão questões patrimoniais. Segue a programação e os canais de transmissão.

16/08 | 14h – Conferência de Abertura: “Patrimônio e afeto: desafios do presente” com Pedro Paulo Funari (UNICAMP).https://youtu.be/8Q7A6Y8EbPM
17/08 | 16h – Mesa 1: “A tradição do Pife no Agreste e no Sertão Pernambucano”. Anderson do Pífano | PPGEDUC; Philipe Moreira Sales | IFPE * Coordenador: Lucas Oliveira | UFPE/LAAB.https://youtu.be/HBjKZ9fNCIg
18/08 | 19h – Mesa 2: “Patrimônio Arqueológico e Povos Indígenas”. Jorge Heremites |UFPEL; Leandro Surya | UNIVASF * Debatedores: Francisco José e Sandro Guimarães de Salles | UFPE/Laab; Coordenador: Almeida Sobral | LAAB/UFPE. https://youtu.be/R-ybQTmMGHQ
18/08 | 20h – Mesa 3: “Musealização dos Patrimônios Imateriais: perspectivas e desafios”. Nicole Costa | Paço do Frevo; Andala Quituche | Museu das Tradições do Cavalo Marinho; Gilvanildo Ferreira | Museu do Mamulengo/PPGA-UFPE * Debatedor: Hugo Menezes Neto | OBSERVAMUS/PPGA-UFPE; Mediação: Julia Morim | OBSERVAMUS / PPGA-UFPE). https://cutt.ly/musealizacao
19/08 | 19h – Mesa 4: História Indígena como Patrimônio. Ricardo Pinto de Medeiros | UFPE; Saulo Ferreira Feitosa | UFPE/LAAB; Antônio Dari |UFGD. https://youtu.be/Dw42b0KByWs
20/08 | 14h – Mesa 5: “Racismo e Patrimônio Cultural: a derrubada das estátuas ou as ruínas da memória colonial”. Alex Jesus | UFPE; Joana Flores | UFRB – UNEB; Debatedora: Vanessa Marinho | Paço do Frevo/ IDG; Mediação: Eduardo Sarmento | OBSERVAMUS/PPGA-UFPE.https://cutt.ly/semanapatrimonio
20/08 | 19h – Mesa 6: “Patrimônio, Estado e Povos Indígenas”. Rosane Lacerda | UFPE, Edson Silva | UFPE * Coordenador: João Domingos | LAAB/UFPE. https://youtu.be/XjT0wWJjCwA

CANTE DE LÁ QUE EU CANTO DE CÁ | PATATIVA DO ASSARÉ


Poeta, cantô da rua,
Que na cidade nasceu,
Cante a cidade que é sua,
Que eu canto o sertão que é meu.
Se aí você teve estudo,
Aqui, Deus me ensinou tudo,
Sem de livro precisá
Por favô, não mêxa aqui,
Que eu também não mexo aí,
Cante lá, que eu canto cá.

Você teve educação,
Aprendeu muita ciência,
Mas das coisa do sertão
Não tem boa experiência.
Nunca fez uma boa palhoça,
Nunca trabalhou na roça,
Não pode conhecê bem,
Pois nesta penosa vida,
Só quem provou da comida
Sabe o gosto que ela tem.

Pra gente cantá o sertão,
Precisa nele morá,
Tê almoço de feijão
E a janta de mugunzá,
Vivê pobre, sem dinheiro,
Trabalhando o dia inteiro,
Socado dentro do mato,
De aprecata currelepe,
Pisando em riba do estrepe,
Brocando a unha-de-gato.

Você é muito ditoso,
Sabe lê, sabe escrevê,
Pois vá cantando o seu gôzo,
Que eu canto meu padecê.
Enquanto a felicidade
Você canta na cidade,
Cá no sertão eu enfrento
A fome, a dô e a miséria.
Pra sê poeta deveras,
Precisa tê sofrimento.

Sua rima, inda que seja
Bordada de prata e de ouro,
Para a gente sertaneja
É perdido este tesouro.
Com o seu verso bem feito,
Não canta o sertão direito
Porque você não conhece
Nossa vida aperreada.
E a dô só é bem cantada,
Cantada por quem padece.

Só canta o sertão direito,
Com tudo quanto ele tem,
Quem sempre correu estreito,
Sem proteção de ninguém,
Coberto de precisão
Suportando a privação
Com paciência de Jó,
Puxando o cabo da enxada,
Na quebrada e na chapada,
Molhadinho de suó.

Amigo, não tenha queixa,
Veja que eu tenho razão
Em lhe dizê que não mêxa
Nas coisa do meu sertão.
Pois, se não sabe o colega
De qual maneira se pega
Num ferro pra trabalhá,
Por favô, não mêxa aqui,
Que eu também não mexo aí,
Cante lá que eu canto cá.

Repare que a minha vida
É diferente da sua.
A sua rima polida
Nasceu no salão da rua.
Já eu sou bem diferente,
Meu verso é como a semente
Que nasce em riba do chão;
Não tenho estudo nem arte,
A minha rima faz parte
Das obras da criação.

Mas porém, eu não invejo
O grande tesouro seu,
Os livros do seu colégio,
Onde você aprendeu.
Pra gente aqui sê poeta
E fazê rima completa,
Não precisa professô;
Basta vê no mês de maio,
Um poema em cada galho
E um verso em cada fulô.

Seu verso é uma mistura
É um tal sarapaté,
Que quem tem pouca leitura,
Lê, mas não sabe o que é.
Tem tanta coisa encantada,
Tanta deusa, tanta fada,
Tanto mistério e condão
E outros negócio impossive.
Eu canto as coisa visive
Do meu querido sertão.

Canto as fulô e os abróio
Com todas coisas daqui:
Pra toda parte que eu óio
Vejo um verso se bulí.
Se às vez andando no vale
Atrás de curá meus males
Quero repará pra serra,
Assim que eu óio pra cima,
Vejo um dilúvio de rima
Caindo em riba da terra.

Mas tudo é rima rasteira
De fruta de jatobá,
De folha de gameleira
E fulô de trapiá,
De canto de passarinho
E da poeira do caminho,
Quando a ventania vem,
Pois você já tá ciente:
Nossa vida é diferente
E nosso verso também.

Repare que diferença
Existe na vida nossa:
Enquanto eu tô na sentença,
Trabalhando em minha roça,
Você lá no seu descanso,
Fuma o seu cigarro manso,
Bem perfumado e sadio;
Já eu, aqui tive a sorte
De fumá cigarro forte
Feito de palha de milho.

Você, vaidoso e faceiro,
Toda vez que quer fumá,
Tira do bolso um isqueiro
Do mais bonito metá.
Eu que não posso com isso,
Puxo por meu artifício
Arranjado por aqui,
Feito de chifre de gado,
Cheio de algodão queimado,
Boa pedra e bom fuzí.

Sua vida é divertida
E a minha é grande pena.
Só numa parte de vida
Nós dois samo bem iguá:
É no direito sagrado,
Por Jesus abençoado
Pra consolá nosso pranto,
Conheço e não me confundo
Da coisa melhó do mundo
Nós goza do mesmo tanto.

Eu não posso lhe invejá
Nem você invejá eu
O que Deus lhe deu por lá,
Aqui Deus também me deu.
Pois minha boa mulhé,
Me estima com muita fé,
Me abraça, beija e quer bem
E ninguém pode negá
Que das coisa naturá
Tem ela o que a sua tem.

Aqui findo esta verdade.
Toda cheia de razão:
Fique na sua cidade
Que eu fico no meu sertão.
Já lhe mostrei um espêio,
Já lhe dei grande consêio
Que você deve tomá.
Por favô, não mêxa aqui,
Que eu também não mexo aí,
Cante lá que eu canto cá. Patativa do Assaré

Fonte: Armazém de texto