POR QUE PAGAMOS IMPOSTOS?


QUAIS OS 10 PAÍSES COM MAIS IMPOSTOS NO MUNDO?

João Marcos Oliveira2 de outubro de 2020

Um dos assuntos mais falados nos últimos dias é o desdobramento da reforma tributária, tão aguardada pela população. Do mesmo modo, falar sobre impostos no Brasil (e no mundo) é algo bem delicado.

Nós brasileiros temos a grande impressão de que pagamos a mais alta carga tributária do mundo, e cobramos por não ver resultados nas ações do governo.

Mas será que é isso mesmo? O Brasil tem uma das maiores cargas tributárias do mundo?

Portanto, esse post vai responder essa questão tão delicada. Vem comigo que eu vou te explicar pra que servem os impostos e fazer uma lista com os 10 países com mais impostos. 

PARA QUE SERVEM OS IMPOSTOS?

Antes de mais nada, vamos começar lá do princípio. A grande questão.

Para que nós pagamos impostos?

A princípio, para explicar de uma maneira mais simples, podemos dizer que nós, como sociedade, nos organizamos em grande parte como uma democracia. No modelo democrático brasileiro, nós possuímos 3 poderes:

Você já deve ter ouvido falar sobre cada um deles, e não cabe a nós nesse post entrar nesse assunto. O ponto é, esses três poderes se reúnem para “gerenciar” a sociedade como um todo. 

É o que chamamos de Estado.

Pois bem, o Estado tem a função de organizar a sociedade. Seja nas suas relações interpessoais, trabalhistas ou econômicas.

Desse modo, fica sob responsabilidade dele providenciar serviços básicos para a sociedade.  Os principais são saúdesegurança e educação. 

Assim, para que o governo ofereça todos esses serviços, toda a sociedade tem que contribuir com o dinheiro que ganha para a máquina continuar funcionando. Isso nós chamamos de imposto, que pagamos para que o governo tenha sua”renda”. 

Note que não falei sobre a origem do imposto na sociedade, mas apenas dei um exemplo prático de como a sociedade funciona e pra que serve o imposto.

Dessa forma, essa renda auferida pelo governo por meio dos impostos é que vai definir o orçamento público. Ou seja, quanto que o governo vai poder gastar para se manter e para oferecer os serviços básicos (incluindo outros serviços e transferências). 

Essa é a renda do governo, e subtraída dos seus gastos, teremos o resultado no final do período. Déficit caso o governo gaste mais do que arrecada ou superávit, caso o governo gaste menos no que arrecada. 

QUAIS AS MAIORES CARGAS TRIBUTÁRIAS DO MUNDO?

Cada país em sua própria carga tributária, ou seja, tem o nível de impostos que cobra de sua população. 

Como as condições econômicas de cada um são diferentes, cobrar menos impostos não é necessariamente melhor. O mesmo acontece com o contrário, cobrar mais impostos.

Vamos então à lista dos países com as maiores cargas tributárias do mundo:

1°- DINAMARCA

A Dinamarca é um país escandinavo, que se encontra no norte da Europa, constituído por uma península e diversas ilhas ao redor. É terra natal dos Vikings, assim como a Noruega e a Suécia. 

A carga tributária do país representa cerca de 45% do PIB do país.

Da mesma forma, pelo fato do país apresentar ótimos índices de igualdade e qualidade de vida, a população não acha que os impostos cobrados são abusivos.

2°- FINLÂNDIA

Em segundo lugar na lista, outro país de origens escandinavas, e que também foi habitado por Vikings. O país fica no norte da Europa, um pouco mais próximo do Reino Unido.

Da mesma forma, a Finlândia mesmo que apresentando uma alta carga tributária (44% do PIB), não causa descontentamento em sua população, pelo fato de possuir altos índices de igualdade socieconômicas. 

3°- BÉLGICA 

A Bélgica é um país que fica no oeste da Europa, e é muito conhecido por suas torres medievais, arquitetura renascentista e pela sede da União Europeia.

A carga tributária do país corresponde a 43,2% do PIB.

4°- FRANÇA

A França, também muito conhecida por sua culinária e pelo seu principal ponto turístico, a Torre Eiffel.

Além de ser um dois maiores países Europeus, possui uma das maiores cargas tributárias do mundo, que corresponde a 43% do Produto Interno Bruto do país. 

Dessa forma, muito dos tributos incidem no país sobre grandes fortunas, o que desencadeia um processo de “fuga” de capitais para o mercado imobiliário de Portugal. 

5°- ITÁLIA 

A Itália, conhecida como a “bota” no sul da Europa, no mar mediterrâneo, também famosa por suas massas e pelo vaticano. 

A carga tributária do país corresponde a 42,6% do PIB do país.

MAIS ADIANTE NA LISTA…

6°- SUÉCIA: 48,8%

7° – ÁUSTRIA: 42,5%

8°- NORUEGA: 40,8%

9°- LUXEMBURGO: 39,3%

10°- HUNGRIA: 38,9%

ONDE ENTRA O BRASIL NESSA HISTÓRIA?

O Brasil se encontra no 14° lugar dessa lista, com uma carga tributária que representa 35,4% do Produto Interno Bruto.  

Dessa forma, mesmo fora do Top 10, o Brasil apresenta uma alta carga tributária. A segunda maior da América Latina, atrás apenas de Cuba. 

Um dos grandes problemas da alta carga tributária no país é a forma como ela é cobrada, incidindo em grande parte sobre o consumo (prejudicando os mais pobres). Além disso, problemas como a alta quantidade de impostos causam um encarecimento das atividades empresariais. 

Esses são alguns dos principais argumentos a favor da Reforma Tributária, além do fato de que a população não vê retorno na grande quantidade de impostos que paga.

WEBINÁRIO MANIA DE HISTORY | TRANSMISSÃO PELO YOUTUBE


 Bom dia, pessoal!
Neste sábado,  22/05, 15h, será o nosso *I° WEBINÁRIO  MANIA DE HISTORY* ,  preparado com muito carinho e competência por Linda Ferreira e  Dr Flávio Valente. Contamos mais uma vez com a força e o engajamento de vocês na divulgação em todas as redes deste evento tão importante e urgente.

TRANSMISSÃO PELO YOUTUBE

GRIPE ESPANHOLA NO BRASIL


Gripe espanhola: a viagem em que o ‘navio da morte’ Demerara venceu bombardeios alemães e trouxe a doença ao Brasil

  • André Bernardo
  • Do Rio de Janeiro para a BBC News Brasil
De bandeira inglesa, o transatlântico Demerara zarpou de Liverpool no dia 15 de agosto de 1918 e aportou no Recife, em 9 de setembro
Legenda da foto,De bandeira inglesa, o transatlântico Demerara zarpou de Liverpool no dia 15 de agosto de 1918 e aportou no Recife, em 9 de setembro

Os editores do jornal Gazeta de Notícias (1875-1942), do Rio de Janeiro, não estavam exagerando quando disseram, na edição do dia 16 de setembro de 1918, que o Demerara fez uma “péssima viagem”. Quando zarpou de Liverpool, no dia 15 de agosto de 1918, rumo a Buenos Aires, o comandante do navio inglês, J.G.K. Cheret, não fazia ideia dos percalços que enfrentaria pelo caminho.

Já no dia seguinte, 16 de agosto, levou o primeiro susto: por volta das oito da manhã, o Demerara foi atacado por dois submarinos alemães, em plena Primeira Guerra Mundial. Um deles chegou a disparar um torpedo que, segundo jornais da época, passou “a um metro da proa”. Os passageiros entraram em pânico e, temendo o pior, saíram à procura de “cintas salva-vidas” – o correspondente da época aos nossos coletes salva-vidas.

Com 562 passageiros e 170 tripulantes a bordo, o Demerara provavelmente teria afundado ali mesmo não fosse a intervenção salvadora de um porta-aviões inglês e de seis torpedeiros americanos, que abateram um dos submarinos e obrigaram o outro a bater em retirada. O jornalista e escritor Wagner G. Barreira explica que aquela não foi a primeira vez que o navio inglês travou uma autêntica batalha naval com submarinos alemães. “O Demerara foi o primeiro navio da marinha mercante britânica a afundar um u-boat. O capitão foi condecorado, ganhou prêmio. Mas, o vapor virou alvo da marinha alemã”, relata o jornalista.

O avô de Wagner, o galego Bernardo Gutiérrez Barreira, chegou ao Brasil numa das muitas viagens do Demerara e, quase um século depois, inspirou o neto a criar o protagonista de seu primeiro romance histórico, Demerara (Editora Instante, 2020).

Passado o susto inicial, o Demerara seguiu viagem. De propriedade da Royal Mail, o serviço postal do Reino Unido, o transatlântico fazia a rota Liverpool-Buenos Aires e transportava, além de passageiros, mercadorias (açúcar, por exemplo) e correspondências. Na viagem de volta a Europa, levaria carne e café, entre outras provisões.

“O movimento dos vapores, pelo menos de acordo com os registros da Autoridade Portuária de Vigo, na Espanha, diminuiu muito durante a guerra. Em primeiro lugar por que era perigoso cruzar o Atlântico, por causa dos submarinos alemães. Depois, porque os principais países da Europa estavam em guerra e os jovens – a massa de imigrantes – haviam sido convocados para as trincheiras”, contextualiza o jornalista.

Notícias do front

Depois de passar por Lisboa, o navio cruzou o Atlântico rumo ao Brasil. A travessia durou 25 dias. Em 9 de setembro, o Demerara atracou no Recife. Era a primeira das quatro escalas no litoral brasileiro: Recife, Salvador, Rio e Santos. “O Demerara era o navio que trazia e levava cartas do front. Em cada porto onde atracava, multidões aguardavam ansiosas por notícias dos soldados que lutavam na Primeira Guerra Mundial”, explica a médica Dilene Raimundo do Nascimento, doutora em História Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e pesquisadora de História das Doenças da Fiocruz.

No Rio de Janeiro, onde o Demerara atracou no dia 15 de setembro de 1918, faltaram leitos para atender a tantos doentes e coveiros para sepultar tantos cadáveres
Legenda da foto,No Rio de Janeiro, onde o Demerara atracou no dia 15 de setembro de 1918, faltaram leitos para atender a tantos doentes e coveiros para sepultar tantos cadáveres

Com o porto do Recife em obras, os passageiros e suas bagagens, entre outras cargas, tiveram que desembarcar dentro de gigantescos cestos de pano içados por guindastes. “Não se tem notícia de quando o vírus (da gripe espanhola) subiu a bordo: se na escala anterior, em Lisboa, ou se o navio já zarpara infectado da Inglaterra”, explica a historiadora Heloísa Murgel Starling, professora a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e coautora de A Bailarina da Morte: a Gripe Espanhola no Brasil (Companhia das Letras, 2020), em parceria com a antropóloga Lilia Moritz Schwarcz.

“Seja como for, uma vez em solo brasileiro, espalhou-se fácil e rápido, desde o Recife ao Rio de Janeiro, do litoral para o interior, através das ferrovias”.

Do Recife, o Demerara seguiu para Salvador, onde chegou em 11 de setembro. No trajeto, o capitão resolveu limpar a embarcação com creolina. Pouco adiantou. Na capital da Bahia, o descaso se repetiu: passageiros e tripulantes desceram à terra firme sem serem inspecionados pelas autoridades sanitárias. Duas semanas depois, o jornal A Tarde, fundado em 1912, contabilizava cerca de “setecentos enfermos” espalhados por todos os lugares: de quartéis a hospitais, de escolas a igrejas.

“Tanto no Recife quanto em Salvador, os governadores negaram a existência da gripe espanhola. Se o navio estivesse infectado, eles teriam que fechar os portos. Para não comprometer a economia local, preferiram deixar o Demerara partir, como se nada estivesse acontecendo”, registra Heloísa.

Bandeira amarela

O próximo destino era o Rio de Janeiro. Na Baía de Guanabara, em frente à Ilha das Cobras, uma bandeira amarela – sinal de doença a bordo – já tremulava no alto de um dos mastros. O inspetor de saúde do porto, José Maria de Figueiredo Ramos, examinou alguns passageiros – dois deles em estado grave – e constatou que o navio estava infectado.

Mesmo assim, o Demerara foi autorizado a atracar. Era 15 de setembro de 1918. Só na capital da República, desembarcaram 367 passageiros. Uns se queixavam de leve resfriado. Outros reclamavam de dores no corpo. Outros, ainda, com sintomas mais graves, como sangramento pelo nariz, boca e ouvidos, entre outros orifícios, tiveram que ser hospitalizados. Terminado o desembarque, o Demerara prosseguiu viagem. Embora grave, a doença não era contagiosa, garantiu o inspetor. Errado: era, na verdade, altamente contagiosa.

Àquela altura, a gripe espanhola já ganhara os mais inusitados apelidos: “catarro russo”, “mal das trincheiras”, “febre de três dias”… No Rio, deram-lhe mais um: “limpa velhos”, por acreditarem que o novo vírus atacava apenas a população idosa. “Muitos a descreviam como uma gripe corriqueira”, relata o infectologista Stefan Cunha Ujvari, autor do livro História das Epidemias (Editora Contexto, 2020). “Jamais imaginavam a mortandade de todas as faixas etárias”.

Muitas famílias colocavam seus mortos na calçada de casa para serem recolhidos pelas funerárias. Faltavam leitos para atender a tantos doentes e coveiros para sepultar tantos cadáveres. “De um dia para o outro, todo mundo começou a morrer. Os primeiros ainda foram chorados, velados e floridos. Mas, quando a cidade sentiu que era mesmo a peste, ninguém chorou mais, nem velou, nem floriu. O velório seria um luxo insuportável para os outros defuntos. Era em 1918. A morte estava no ar e repito: difusa, volatizada, atmosférica; todos a respiravam…”, escreveu o jornalista Nelson Rodrigues (1912-1980) na edição do dia 8 de março de 1967 do jornal Correio da Manhã.

Rastro de destruição

E lá se foi o Demerara, rumo a Montevidéu, onde aportou em 23 de setembro. A bordo, a “bailarina” continuava a contabilizar vítimas. Em águas portenhas, o saldo já era de seis mortos e 22 infectados. Os jornais brasileiros tentaram alertar as autoridades do Uruguai. Mas o diretor de Assistência Pública daquele país, Horácio González del Solar, não lhe deu ouvidos. “Que exagero!”, desdenhou. Quando chegou a Buenos Aires, o Demerara finalmente passou por uma inspeção rigorosa. “As autoridades argentinas fizeram o que as brasileiras não tiveram coragem de fazer: segurar o navio e desinfetá-lo”, afirma Heloísa Starling.

O jornal Gazeta de Notícias, do Rio de Janeiro, classificou como "péssima" a viagem do Demerara.
Legenda da foto,O jornal Gazeta de Notícias, do Rio de Janeiro, classificou como “péssima” a viagem do Demerara e motivos para isso não faltaram

Pelo menos cinco pessoas morreram durante o percurso: quatro passageiros, os portugueses Antônio Teixeira, Germana Moreira Valente, Gracinda Ferreira e Maria dos Anjos, e um tripulante, o espanhol Juan Cajal. Desses, só um recebeu o diagnóstico de influenza. “Os números de doentes a bordo variam muito de acordo com as fontes. Mas, se você imaginar que a terceira classe costumava lotar e o navio é um ambiente confinado, gerador de aglomeração, dá para intuir que o vírus correu solto”, observa Barreira. “A primeira onda da gripe não foi tão letal quanto a segunda. Derrubava, mas não matava. A segunda foi a que se espalhou pelo mundo, e foi ela que embarcou no Demerara”.

A maldição do Demerara?

Um dos primeiros jornais a noticiar o que todos já desconfiavam foi O Combate, de São Paulo. Na edição de 27 de setembro de 1918, estampou na primeira página: “A ‘espanhola’ já chegou ao Brasil”. Àquela altura, o Demerara já era conhecido pelo macabro apelido de “navio da morte”. Estima-se que, só no Brasil, a gripe espanhola tenha matado 35 mil pessoas. No mundo inteiro, a moléstia teria dizimado, segundo as estimativas mais conservadoras, 30 milhões de pessoas – quase quatro vezes o número de mortos durante a Primeira Guerra (1914-1918).

Em 10 de outubro de 1918, o então diretor geral de saúde pública, Carlos Seidl (1867-1929), o ministro da Saúde da época, convocou uma coletiva de imprensa. Diante de médicos e jornalistas, minimizou a epidemia, questionou os números e chamou os jornais de “irresponsáveis” e “sensacionalistas”.

Uma semana depois, o presidente da República Venceslau Brás (1868-1966) o chamou no Palácio do Catete e o demitiu. Em seu lugar, assumiu o médico Theóphilo de Almeida Torres (1863-1928), que convocou o sanitarista Carlos Chagas (1879-1934) para encabeçar uma força-tarefa contra a gripe espanhola. Na esperança de combater a moléstia, foram testadas as mais variadas receitas: de porções indígenas à base de ervas a um xarope de aguardente, limão e mel que, dizem, não mitigou o problema, mas, em compensação, deu origem à caipirinha.

O Demerara fez sua última viagem no finalzinho da década de 1930. O paquete inglês que, segundo historiadores, trouxe a gripe espanhola ao Brasil em 1918 não foi o único navio a ser batizado com o nome do açúcar originário da Guiana. Em 1872, um foi a pique, na primeira viagem que fez. Outro afundou com menos de um mês de uso. “Encontrei outro Demerara, um veleiro, azarado que só ele, um perrengue a cada viagem e que acabou naufragado”, relata Barreira.

MÁQUINAS PODEM ESMAGAR HUMANOS | I.A.


O vencedor do prêmio Nobel de economia de 2002, Daniel Kahneman, fez um comentário intrigante sobre a inteligência artificial em uma entrevista em ocasião do lançamento de seu mais novo livro, “Noise: Uma falha no julgamento humano”. Segundo ele, em uma batalha não muito distante entre robôs e humanos no campo intelectual, as máquinas vão “esmagar” a humanidade.

“Claramente a inteligência artificial vai vencer [contra a inteligência humana]. Não chegaremos nem perto”, disse Kahneman, ao jornal britânico The Guardian. “Como as pessoas vão se ajustar a isso é um problema fascinante”, completou o economista.

Para o economista israelense, nós estamos despreparados para a forma como a inteligência artificial vai penetrar no mundo a médio prazo. Além disso, segundo ele, a pandemia da Covid-19 mostrou como a mente humana é despreparada para fazer matemática básica e, com um vírus capaz de se replicar em progressão geométrica, a situação saiu facilmente do controle.

Linear x exponencial

“Fenômenos exponenciais são quase impossíveis de entender”, disse ele. “Temos muita experiência em um mundo mais ou menos linear. E se as coisas estão acelerando, geralmente estão acelerando dentro do razoável”, continua. “A mudança exponencial é realmente outra coisa. Não estamos equipados para isso. Leva muito tempo para educar a intuição”, conclui.

Kahneman acredita que é por isso que a inteligência artificial deve nos vencer, seu desenvolvimento não é linear. “A tecnologia está se desenvolvendo muito rapidamente, possivelmente de forma exponencial. Mas as pessoas são lineares. Quando as pessoas lineares se deparam com uma mudança exponencial, elas não serão capazes de se adaptar a isso com muita facilidade”, defende o teórico.

Por fim, o economista cita as áreas nas quais acredita que os humanos serão substituídos em breve. Uma das apostas é o campo da medicina diagnóstica, mas o que mais o assusta são os chamados cargos de liderança. “Uma vez que seja comprovadamente verdade que você pode ter uma IA com, digamos, um julgamento de negócios muito melhor, o que isso fará com a liderança humana?”, questiona.

Por que levar a sério?

A opinião de Daniel Kahneman é algo que deve ser levado em consideração, já que o economista é um dos precursores da chamada economia comportamental. Seu prêmio Nobel veio de uma pesquisa pioneira na chamada “teoria da perspectiva”.

Essa linha de pesquisa busca explicar como as pessoas racionalizam a diferença entre seus ganhos e suas perdas em investimentos. Além disso, visa racionalizar a diferença entre ganhos, perdas e o funcionamento dos limites das pessoas no que tange a aversão e o apetite aos riscos.