UM FÍSICO ANALISANDO UM FILME ESPETACULAR | INSCREVA-SE NO CANAL PROMOVE O CONHECIMENTO E DESTRIBUI LIVROS


MÁQUINAS PODEM ESMAGAR HUMANOS | I.A.


O vencedor do prêmio Nobel de economia de 2002, Daniel Kahneman, fez um comentário intrigante sobre a inteligência artificial em uma entrevista em ocasião do lançamento de seu mais novo livro, “Noise: Uma falha no julgamento humano”. Segundo ele, em uma batalha não muito distante entre robôs e humanos no campo intelectual, as máquinas vão “esmagar” a humanidade.

“Claramente a inteligência artificial vai vencer [contra a inteligência humana]. Não chegaremos nem perto”, disse Kahneman, ao jornal britânico The Guardian. “Como as pessoas vão se ajustar a isso é um problema fascinante”, completou o economista.

Para o economista israelense, nós estamos despreparados para a forma como a inteligência artificial vai penetrar no mundo a médio prazo. Além disso, segundo ele, a pandemia da Covid-19 mostrou como a mente humana é despreparada para fazer matemática básica e, com um vírus capaz de se replicar em progressão geométrica, a situação saiu facilmente do controle.

Linear x exponencial

“Fenômenos exponenciais são quase impossíveis de entender”, disse ele. “Temos muita experiência em um mundo mais ou menos linear. E se as coisas estão acelerando, geralmente estão acelerando dentro do razoável”, continua. “A mudança exponencial é realmente outra coisa. Não estamos equipados para isso. Leva muito tempo para educar a intuição”, conclui.

Kahneman acredita que é por isso que a inteligência artificial deve nos vencer, seu desenvolvimento não é linear. “A tecnologia está se desenvolvendo muito rapidamente, possivelmente de forma exponencial. Mas as pessoas são lineares. Quando as pessoas lineares se deparam com uma mudança exponencial, elas não serão capazes de se adaptar a isso com muita facilidade”, defende o teórico.

Por fim, o economista cita as áreas nas quais acredita que os humanos serão substituídos em breve. Uma das apostas é o campo da medicina diagnóstica, mas o que mais o assusta são os chamados cargos de liderança. “Uma vez que seja comprovadamente verdade que você pode ter uma IA com, digamos, um julgamento de negócios muito melhor, o que isso fará com a liderança humana?”, questiona.

Por que levar a sério?

A opinião de Daniel Kahneman é algo que deve ser levado em consideração, já que o economista é um dos precursores da chamada economia comportamental. Seu prêmio Nobel veio de uma pesquisa pioneira na chamada “teoria da perspectiva”.

Essa linha de pesquisa busca explicar como as pessoas racionalizam a diferença entre seus ganhos e suas perdas em investimentos. Além disso, visa racionalizar a diferença entre ganhos, perdas e o funcionamento dos limites das pessoas no que tange a aversão e o apetite aos riscos.

HISTÓRIA DO TEMPO PRESENTE!


Curta este episódio… ÊXODO QUE AMEAÇA O BRASIL Episódio de MANIA DE HISTORY https://open.spotify.com/episode/76IX3knqj6mYVYdUFIfZtK?si=537zvJiPQZOaVTCuWhGPpw&utm_source=native-share-menu&dl_branch=1

Êxodo que ameaça futuro do Brasil


FUGA DE CÉREBROS É REALIDADE, DIZ PRESIDENTE DA ABC

Leia matéria de Gabriel Vasconcelos para o Valor Econômico, publicada em 13/8:

Presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), o físico Luiz Davidovichtem assinado cada vez mais cartas de recomendação para pesquisadores que deixam o Brasil. Aves raras na academia, esses doutores não querem salários altos. Procuram, na verdade, insumos e equipamentos para os quais o governo brasileiro tem empenhado cada vez menos recursos nos últimos anos. O êxodo de cientistas, para Davidovich, é a ferida mais exposta do sistema de ciência e tecnologia (C&T) do país, que se agravou no governo Jair Bolsonaro e seus contingenciamentos, ausência de projeto tecnológico e negação da ciência.

“A fuga de cérebros é muito concreta e dolorosa para mim”, diz Davidovich. Recentemente ele viu quatro colegas concursados abandonarem seus cargos para tocar trabalhos em Austrália, Holanda, Portugal e Chile. “Três vão para universidades estrangeiras, outro vai para uma empresa australiana de computação quântica, mas aprendeu tudo aqui”, diz apontando para o chão da Escola de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde leciona há 25 anos. Ele comanda os estudos da casa em computação e ótica quânticas, sendo colaborador do francês Serge Haroche, laureado com o Nobel de Física em 2012.

“Não nego as recomendações. Essas pessoas têm o direito de se preocupar com suas pesquisas, mas escrevo nas cartas que lamento o fato de estarem nos deixando”, diz. A debandada, afirma, está diretamente ligada à queda nos repasses a universidades federais. Segundo Davidovich, as verbas têm caído todos os anos desde 2010. A exceção foi 2013, quando houve um pico que ele atribui ao programa Ciência sem Fronteiras. Em 2019, o golpe mais duro da década: contingenciamento de 30% no Ministério da Educação e 42% na pasta de Ciência e Tecnologia (MCTIC). O principal afetado é o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que provê a maior parte dos recurso à pesquisa científica.

“Com o corte, as bolsas de pesquisa só chegariam a junho, mas uma suplementação de R$ 300 milhões permitiu pagar até setembro. Ainda falta para o resto do ano”, afirma Davidovich. De acordo com a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), ainda faltam R$ 340 milhões para o CNPq honrar as bolsas de 84 mil pesquisadores neste ano.

Os cortes surpreenderam o chefe da Academia de Ciências. Ainda em campanha, Jair Bolsonaro respondera a um questionamento da entidade com a promessa de elevar o investimento em ciência a 3% do PIB até o fim do mandato, enquanto a entidade recomendava a reserva de 2% da riqueza nacional para a área. Segundo Davidovich, hoje em queda, o investimento total em ciência e tecnologia está um pouco acima de 1% do PIB, sendo igualmente dividido entre União e setor privado. Inicialmente encarado como auspicioso pelo cientista e seus pares, o compromisso de campanha do presidente se mostra cada vez mais distante.

“O apagão de investimentos pode quebrar o sistema de C&T. Tudo que temos hoje começou a ser institucionalizado na década de 1950, mas vem de antes. A construção é um processo longo, mas a destruição pode ser muito rápida, menos de uma década”.

Questionado se o “Future-se”, programa do governo para estimular a entrada de recursos privados nas universidades, pode solucionar o problema, Davidovich é claro: “Só funcionará se os repasses públicos forem restabelecidos”.

Em sua leitura, as universidades só vão interagir mais com empresas na medida em que se modernizarem primeiro via recurso público. “A maior parte do orçamento universitário sempre virá do governo, como acontece no mundo todo. O ministro [Abraham Weintraub, do MEC] precisa de um choque de realidade”, diz. O pesquisador, no entanto, vê com bons olhos aspectos da proposta como desvinculação de verbas privadas do orçamento e previsão de incentivos fiscais para quem investir.

Caso o governo ainda queira honrar a promessa de investir duas vezes mais em ciência, Davidovich afirma que, além de rever os cortes, será preciso incentivar investimento direto do setor privado. Ele cita as experiências dos Estados Unidos e da Coreia do Sul. Doutor pela Universidade de Rochester (EUA) e membro estrangeiro da Academia de Ciências dos Estados Unidos (NAC), lembra que na Coreia do Sul três quartos do investimento em P&D vêm de empresas, e um quarto, das universidades.

“Não precisamos reinventar a roda. Basta olhar para o lado. Os EUA sempre usaram encomendas de Estado para grandes projetos nacionais”, diz, citando como exemplos o programa espacial e a criação de bancos de dados para órgãos de governo. “Isso é muito melhor que subvenção, pois permite orientar os resultados.”

Como um caminho natural, Davidovich aponta a biotecnologia baseada na pouco explorada biodiversidade nacional. “Conhecemos apenas 5% do potencial de nossos biomas”, diz. Animado, ele fala de uma substância chamada bergenina, originalmente encontrada no caule de uma planta amazônica. Sua molécula anti-inflamatória foi sintetizada por um laboratório privado que hoje comercializa o miligrama por mais de R$ 1.000. “Existem várias outras substâncias que poderiam ser produzidas no Brasil.” Soluções de saúde, afirma, são mais que recomendadas para um país com um comprador natural do tamanho do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Prioridades óbvias como a biotecnologia têm sido prejudicadas por uma política de desmatamento que nega evidências científicas”, diz. Davidovich se mostra especialmente irritado com os ataques do governo ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em cuja defesa saiu mais de uma vez por meio de carta aberta da ABC.

“Há uma ironia no fato de não perceberem que isso pode prejudicar a própria agroindústria, por causa dos rios voadores que garantem chuvas no Centro-Oeste e Sudeste. Isso para não citar o acordo comercial com os europeus, que terão um Parlamento com cada vez mais [deputados] verdes.”

Em seu entender, as ações do governo até aqui refletem uma “total ausência de agenda para o desenvolvimento científico” que abre espaço para voluntarismos, expressos por exemplo na retórica sobre nióbio ou dessalinização, que têm o seu valor, mas estariam longe da escala necessária para alavancar a ciência no país.(Gabriel Vasconcelos para Valor Econômico, 13/8)

Veja também